7 de janeiro de 2014

3º Dia - Passeio de Escuna e Santo Antônio de Lisboa


       Acordamos cedo. O dia amanheceu nublado, mas com nuvens finas e sem previsão de chuva. Fazia calor.
      Após várias pesquisas, fiz reservas pela internet na agência Escuna Capitão Gancho Martin, pois achei que fosse ser a melhor. A agente me pediu para comparecer na agência às 09:00 da manhã, pois o check-in seria à 09:30 e eu ainda tinha que acertar o passeio com ela. 
      Saímos daqui bem antes, com o GPS na mão. No entanto, o GPS nos levou para o outro lado da praia, e ficamos meio perdidos. Rodamos por lá, mas estávamos no lugar errado. Rodando por lá, nos encontramos então com nada mais nada menos que o Jack Sparrow !!! Ele tinha se separado do seu Pérola Negra e ia em direção ao Trapiche. Parei imediatamente o carro e ofereci uma carona para ele. 

      Chegando no Trapiche, procurei a equipe da agência e aceitei os detalhes do passeio com eles. No entanto, depois disso, fiquei sabendo que a saída do barco seria apenas 11:00 da manhã ! Não iria ficar 2 horas esperando ! Embarcamos então no barco Piratas do Caribe I, da agência Scuna Sul, no passeio sem parada para o almoço. Não era o que eu queria, mas infelizmente, não dava para ficar parado 2 horas esperando. 


      O barco saiu do Trapiche e se dirigiu em direção em direção à Baia dos Golfinhos, com destino a Fortaleza de Santa Cruz na Ilha de Anhatomirim. Muita animação e música bem alta no barco. Para quem não gosta desse tipo de passeio, não é uma boa. Nossa tripulação também não era lá essas coisas em termos de animação, alguns passageiros estavam mais animados do que eles. No meio do caminho, a música parou para nós saudarmos alguns visitantes que resolveram nos acompanhar no passeio: golfinhos. Muito bonitos, gostam de nadar nas ondas que os barcos fazem, pulando de vez em quando. Entre eles um filhotinho muito bonito se destacava. Os golfinhos nos acompanharam durante grande parte da travessia.


      Pelo caminho, conhecemos algumas praias da ilha e também parte da história dos lugares e das fortalezas que compõem o triângulo de fogo. Chegando na Ilha de Anhatomirim, dá para avistar a Fortaleza de Santa Cruz. Muito bonita e imponente. Achei também bem preservada, embora ainda precise de mais restauração. O barco parou no pier para visitarmos e nosso comandante nos levou para uma excursão. A entrada é paga (R$ 8,00), mas estudante para meia entrada. Lá, ficamos sabendo da história do lugar, dos acontecimentos internos e externos, das invasões dos espanhóis e várias outras histórias que nosso guia-comandante nos deixa informado. Gabriel deu
um show de história, respondendo as perguntas do guia sobre a ocupação do Brasil e as disputas com os espanhóis na época. A vista é espetacular, dá para se ver uma grande extensão da ilha de Santa Catarina.


       Findo o passeio na fortaleza, voltamos para o barco. O próximo destino era a ilha do Francês, uma ilha particular que foi doada ao construtor da ponte Hercílio Luz. Lá, o barco deu uma parada para nadar no mar. Gabriel não perdeu tempo e pulou logo ! A água estava uma delícia, e como o lugar é fundo, deu para dar uns bons pulos do barco. No final do passeio houve ainda uma apresentação de passos de capoeira de um dos tripulantes do barco. Foi muito legal a apresentação, com muitas piruetas. O barco voltou ao Trapiche para o fim da viagem.


       Saindo de lá, como perdemos o passeio com o almoço, pegamos o carro e fomos ao centrinho dos ingleses para almoçar. Entramos no restaurante Toscana, que possui uma boa variedade de pratos e opções para o almoço. Gabriel é claro preferiu um Filé à Parmegiana, que dividimos entre nós três. Eu pedi uma taça de vinho, que não sei dizer
exatamente o que era, pois vinho com certeza não. Muito ruim, um gosto de suco esquisito (isso depois do Gran Reserva do dia anterior, extremos !). Como sobremesa, fomos novamente à Sorveteria Monte Pelmo,  onde novamente fomos provar outras das delícias que eles servem.


      Chegando em casa, já cansado, Gabriel quis ir à praia (nossa, esse menino não cansa!). Cris foi com ele e eu fui logo em seguida. Fiquei quase 1 hora vendo Gabriel brigar (ou brincar) com as ondas, e depois entrei na água também. Acho que passamos lá mais umas 2 horas. A praia dos Ingleses é uma praia boa para tomar banho, mas deve-se ter muito cuidado, pois a correnteza puxa com força. Dá para se afastar uma boa distância da areia e ainda ficar com a água na cintura. As ondas não são grandes, mas suficiente para alguns surfistas resolverem comparecer.


      Chegando no fim da tarde, Fomos visitar a comunidade de Santo Antônio de Lisboa, a alguns Quilômetros de onde estávamos. A cidade é bem pequena e pacata, paramos do nado da Igreja local, um dos pontos turísticos da região. A vista é espetacular, dá para ver toda a costa do continente, a ponte Hercílio Cruz e a costa da ilha. À noite a visão fica igualmente bonita.

        Na cidade não tem muito o que se ver, principalmente pelo horário que chegamos. Percebemos que em Florianópolis as atrações turísticas fecham às 17:00, e já eram mais de 19:00. Visitamos a igreja, a praia e andamos pela cidade. Como estávamos com fome, procuramos um lugar para comer, e achamos um café muito agradável, com cada torta que fazer cair o queixo. Só depois que nós nos sentamos e escolhemos o que iríamos comer, o garçom veio dizer que o estabelecimento já tinha encerrado o serviço. Poxa, que tristeza, saímos e, chegando no final da rua, achamos uma Risoteria (Risoteria Maria e João), com um ambiente super agradável e um cardápio de dar água na boca.

       Gabriel escolheu para comer um um risoto de parmesão, a Cris umas torradas acompanhadas de
um molho de camarão (Camarão afogado, acho) e eu não me contive, escolhi logo um caldo de feijão como entrada e um risoto de tomates secos, mussarela de búfala com manjericão. Simplesmente divino. Comi bem devagar para sentir cada garfada, pois o risoto estava mesmo maravilhoso. Descobrimos então que até música al vivo teria. Mas estava começando a cantar logo quando terminamos nosso "serviço".

      Voltamos para casa, cansados, mas satisfeitos e com barriga cheia. Hora de dormir, outro dia nos espera.