21 de janeiro de 2014

8º Dia - Ida para Penha / Unipraias

      Embora quisesse acordar bem cedo, um pouco tarde, arrumamos o resto das coisas, tomamos café da manhã e partimos mais ou menos 09:00 da manhã para Penha. A viagem foi muito tranquila, a pista é duplicada e a qualidade do asfalto muito boa, pois ela é cedida a uma empresa que a preserva e cobra um pedágio de R$ 1,70 (para os carros). Não estava muito movimentado, a viagem transcorreu normalmente.
   Chegamos em Camboriú rápido, a velocidade máxima da pista era de 100 Km/h. Ficamos impressionados com o tamanho da cidade. Sempre imaginei que Balneário Camboriú fosse uma cidade pequena, aquelas típicas cidades "do interior" mas na praia, mas não, vimos uma orla muito bem estruturada e com prédios de uns 30 andares, muitos mesmo. Nos dirigimos ao parque unipraias, mas estava difícil, pois as placas da pista sempre indicavam Interpraias. Na verdade é a mesma coisa, mas  como não sabíamos, isso acabou nos atrasando. Chegamos na estação Barra Sul da Unipraias por volta de 11:30 a 12:00.

Parque Unipraias


      O Unipraias é um grande parque construído no alto de um morro, entre as praias da Barra Sul e
 a praia de Laranjeiras. Para se chegar no parque, foi construído um teleférico que interliga essas duas praias através dele. São apenas 3 estações: Barra Sul, Unipraias e Laranjeiras. O ingresso custa R$ 36,00 por pessoa (até 12 anos paga meia entrada), e dá direito a uma ida e volta em cada teleférico. Se não quiser enfrentar fila, pode-se comprar o ingresso no site do Beto Carrero World, imprimir e trocar o voucher direto no atendimento ao turista do Unipraias.



       Deixamos as malas no carro e estacionamos no estacionamento do próprio parque por um preço de R$ 5,00 a hora. Mesmo caro, era importante, afinal todas nossas coisas estavam nele. Trocados os vouchers, fomos para o bondinho. A fila estava IMENSA (com maiúsculas, pois tinha muita gente mesmo!), mesmo assim, não foi tão cansativa como normalmente se é, pois sendo um teleférico, o embarque é rápido para evitar que se acumulem, cada bondinho cabe até 6 pessoas, mas dependendo, podem subir apenas 4 (caso seja uma família, por exemplo) pois a seleção não é tão rígida assim. Nós fomos com outras 3 pessoas, são 2 bancos de 3 pessoas, um de costas para o outro. 

      O Unipraias oferece algumas atrações legais nele. Algumas tem que ser pagas separadamente:
  • Yohoo! : fomos direto nesta atração (R$ 35,00 o duplo), um trenó de montanha, igual ao que fomos no Alpen Parque da última vez que fomos para Gramado. A fila estava pequena, não esperamos muito. O passeio é rápido mas emocionante, pois se atinge uma boa velocidade. Tem-se o freio para diminuir, mas é claro que nem pensei nele, fica mais legal ir a toda mesmo. Saindo, pode-se comprar uma foto que é tirada no meio do percurso (R$ 20,00). 
  • Parque ambiental : todo o parque foi construído em um morro e ele possui um caminho onde pode-se contemplar toda a natureza do lugar ao mesmo tempo que se tem lições da fauna brasileira através de placas indicativas. O caminho é bem simples e também muito bonito, no meio dele tem-se acesso a um mirante onde se tem uma visão de toda a praia da Barra Sul e dá para visualizar toda a imponência dos prédios e a beleza da orla cidade. Tem-se também um oratório e uma praça de alimentação com outro mirante para o Oceano Atlântico.
  • ZipRider : o ZipRider nada mais é do que uma tirolesa que parte de cima do Unipraias e termina
    na estação do bondinho em laranjeiras, com um total de 750m. A descida é feita em 4 cadeirinhas (muito bem seguras). O preço é de R$ 39,00 e te dá direito a uma descida, a subida é feita pelo bondinho, a segunda descida fica por R$ 20,00. A fila estava grande, e nos preparamos para esperar. Contei quanto tempo mais ou menos demora entre as descidas (deu mais ou menos 3 minutos: 55s de descida e o resto de subida e a preparação dos próximos) e calculei que ficaríamos mais de 1 hora esperando ! No total, ficamos mais ou menos 1 hora e meia na fila. A descida é muito legal ! Como já mencionei, são 55 segundos de
    descida, e é bem tranquila, a minha cadeirinha foi muito mais lenta do que a do Gabriel e ele chegou primeiro. De cima dava para ver a praia de Laranjeiras, muito cheia tanto na areia quanto no mar, e me pareceu um pouco suja (mas pode ter sido apenas impressão). No final, mais fotos para comprar. Fomos depois para a Casa do Chocolate, onde tomamos um delicioso chocolate gelado, muito caprichado, e  fizemos também umas comprinhas.
  • Arvorismo: pode-se fazer também arvorismo (R$ 25,00), mas infelizmente Gabriel não ficou interessado. Estava também de sandálias, então nem dava, mas ele não quis mesmo, pois ofereci meu tênis para ele ir e ele não aceitou.
  • Barco Pirata: há também a possibilidade de fazer um passeio pela praia no barco pirata, mas como já fizemos nosso passeio em Floripa, não fomos nessa atração.


      Cris e Gabriel não quiseram ir para a praia (tinha programado passar um tempo lá), e estava um sol fortíssimo e um calor muito forte. Fomos então para a saída, onde comprei uma pipoca para o Gabriel e tiramos uma foto do bondinho graças a um folder que achamos no restaurante Docas que continha um vale foto (procurem na cidade que sempre encontram, é um leque com uma aba que é um vale foto). Voltamos para o carro e seguimos viagem ruma à Penha.

      Chegamos em Penha antes de escurecer, pois é bem pertinho de Balneário Camboriú. Achamos  uma boa opção para quem quer visitar o Beto Carrero World ficar em Camboriú, mas descartamos tal possibilidade na volta para Floripa, devido ao imenso congestionamento que vimos nesse sentido (falarei sobre isso em breve).

Hotel Pedra da Ilha 

      Demos entrada no hotel Pedra da Ilha. O hotel fica em frente a uma praia (acho que é praia Alegre), cuja areia nos pareceu muito suja, estava bem cheia
no horário que chegamos (ainda tinha sol), e a água super barrenta, pois acho que fica ao lado da saída de um rio. O hotel tem uma boa estrutura, vários andares com os quartos virados para um pátio grande coberto. Possui 2 piscinas (uma externa e outra interna térmica) e mais 2 banheiras de hidromassagem (2 externas e 2 internas). Alguns quartos possuem banheira individual na varanda, e também possui quartos temáticos (nepal, hawaí, etc...) e quarto presidencial. O restaurante é bem grande também.

      No entanto, o serviço do mesmo deixou muito a desejar. Tive que chamar o rapaz para pegar nossas malas no carro e não tinham um carrinho para levar. Carreguei 2 mochilas e cada item dentro do carro o rapaz me perguntou se era ou não para levar. Na reserva, pedi um quarto virado para a praia, mas nos deram um quarto virado para o pátio central, no térreo, e a única janela do mesmo era para esse pátio, ficando muito chato, pois caso abríssemos a janela perderíamos toda a privacidade. Não pudemos trocar de quarto. O Wi-fi também ficou todo o tempo sem funcionar, somente na recepção eu conseguia acessar qualquer site, e sem sinal 3G de celular, a atualização do Blog ficou comprometida.

      Gabriel se desarrumou e correu direto para a piscina. Eu e Cris fomos logo em seguida. Nadamos na externa até começar a esfriar, e depois fomos para a coberta e térmica relaxar um pouco. Decidimos então sair para jantar, nos arrumamos e fomos procurar. Pegamos o carro e fomos percorrendo a cidade. De repente, uma tempestade começou a cair, estava impossível até de ver alguma coisa na rua, com uma ventania forte, se saíssemos do carro iríamos nos molhar completamente. Voltamos para o hotel para jantar no restaurante e notei mais alguns problemas no hotel: goteiras. O restaurante estava cheio de poças no chão, proveniente de vazamentos do teto, e não eram pequenos ! O cardápio também nos assustou, os preços das refeições estavam em torno de R$ 88,00, vinhos nacionais (que custam em torno de R$ 20,00 a R$ 30,00 no supermercado) eram vendidos a mais de R$ 65,00. Pedimos uma sopa de galinha, um creme de batata e um prato kids para o Gabriel.
Depois dessa, só dormindo logo para o tão esperado dia: Beto Carrero World.