22 de abril de 2015

Dia 12 - Central Park, Metropolitan Museum, Basquete

      Neste dia tínhamos outro tour para fazer, o de Low Manhattan, mas a Cris queria ir para o Central Park, então cancelei o tour e fomos passear por lá. Acho que esse foi o ida mais frio que passamos, mais ainda do que o dia que nevou, estava mais ou menos -3ºC, mas a temperatura aparente era de -11ºC.
      Como o Central Park era pertinho do hotel, fomos a pé, entrando pela 5ª Ave, o mesmo lugar onde entrei para minha corrida. Os lagos do Central Park ainda estava congelados, pelo menos parte deles. Lá, a paz é a principal atração, um contraste com a agitação da cidade que o rodeia. 
       Chegando lá, estava ainda todo cheio de neve. O pond, um pequeno lago que encontramos logo na entrada, estava parcialmente congelado, onde vários passarinhos andavam pelo gelo. Na parte descongelada alguns patinhos nadavam juntos. Tiramos algumas fotos e fomos em direção ao ring de patinação ali perto. Chegando lá, comprei um ingresso (U$11,00) e aluguei um patins (U$7,00) para eu patinar, o tempo era livre, a pista é ótima, enorme, dava para pegar uma velocidade boa e tinha bastante espaço, mas não podia ficar lá  dia inteiro, então depois de meia hora, já com os pés doendo por causa do patins sem conforto, resolvi sair, justamente na hora de renovarem o gelo.
     Continuamos subindo o Central Park, tiramos algumas fotos, paramos na estátua da Alice, mas o frio estava intenso e a Cris não estava aguentando. Então, ela resolveu ir direto para o Metropolitan Museum  of Art. Entramos lá e estava quentinho, do jeito que a Cris queria. A entrada é fabulosa, imensa com ossadas de dinossauros gigantes em exposição. Troquei meus Citypass pelos ingressos e fomos procurar um lugar lá dentro para almoçar, mas antes de entrar deixamos nossos casacos e mochilas no Coat Check, um serviço gratuito de guarda de pertences do museu, já que não se pode entrar com mochila lá.
     Até chegar no restaurante/lanchonete que queríamos, passamos por várias salas e exposições, cada uma mais linda que a outra, entre quadros, obras de arte, esculturas, reproduções medievais, etc.. museu fantástico mesmo. Chegamos na lanchonete muito boa e ampla, esquema self-service mas dividida em diversos setores, como massas, saladas, sobremesas, líquidos... muito organizado, e cada setor tem seu preço adicional. Após passearmos bastante pelo museu, saímos e pegamos um ônibus em direção ao hotel. Foi aí que descobri que eles não aceitavam notas, pois tinha deixado meu cartão Metrocard na outra roupa, e acabei ficando sem como pagar, mas o motorista gentilmente me deixou entrar como carona no ônibus. Descemos, mas antes de nos dirigirmos ao hotel, paramos na Godiva para comprar outras delícias. 

      Depois de descansar um pouco no hotel, nos arrumamos para o último evento do dia: um jogo de basquete no NY Knicks no Madison Square Garden. O caminho já era conhecido, então pegamos o metrô e fomos para lá. Chegamos na hora, consegui um lugar ótimo para assistir o jogo, mas o estádio não estava tão cheio como no jogo dos Rangers. Como todo jogo no MSG, tudo é um show, nos intervalos existem promoções para quem senta em fileiras sorteadas, distribuição de camisetas por armas de ar comprimido e até dinheiro para uma pessoa jogar a bola na cesta de várias partes do campo. De lanche comprei um cachorro quente para nós e a Cris também quis uma pipoca, servida na caixinha dos Knicks. Infelizmente o NY Knicks não estava jogando bem e perdeu o jogo. Mesmo assim foi uma ótima experiência. Veja as fotos mais abaixo.


     Voltamos para o hotel, mas no caminho paramos para comer uma sobremesa no Lindy's, um restaurante dentre muitos que clamava ter o melhor Cheesecacke do mundo, e não estava ruim não, a fatia exagerada e muito gostosa nos satisfez muito bem. 








Fotos do Jogo de Basquete no Madison Square Garden: