14 de junho de 2014

2º Dia: City Tour Big Bus, Jantar Torre Eiffel

     Acordamos cedo para ir no City Tour feito pelo BigBus, um ônibus tipo jardineira, que faz várias


paradas em pontos turísticos da cidade. Você pode saltar onde quiser para visitar a atração e continuar o passeio em outro BigBus que pare em outro horário. Também, nele tem uma gravação explicando tudo sobre a próxima parada e também sobre locais onde o ônibus está passando.
    O ponto de ônibus do BigBus era perto do hotel, fomos a pé e chegamos bem perto da hora que ele iria sair. No entanto, chegando lá, a moça me cobrou o ticket que tinha me passado no dia anterior quando fui trocá-lo com o Paris Pass, mas acabei deixando no hotel (nem me preocupei com ele, achava que não precisava!). Tive que voltar correndo para pegá-los, e acabamos pegando o ônibus seguinte.
     Enquanto isso, Gabriel e Cris foram andando para o Louvre, onde era a próxima parada do BigBus. Eles então ficaram passeando por lá para conhecer o local e a cidade. Iríamos entrar no Louvre um outro dia.
     Pegamos o BigBus em uma parada na margem do rio Sena e saltamos na Catedral de Notre Dame. Chegando lá, uma fila enorme para entrar. Existia outra fila do lado da igreja, para subir na torre. Esta atração era paga e a fila demorava muito, e resolvemos não entrar. A fila para conhecer a Catedral estava longa, mas andava bem rápido, não precisamos esperar muito e já entramos na Igreja. 
     A Notre Dame é linda igreja, o passeio por ela é simples: você vai contornando o centro dela onde são realizadas as missas e onde você pode conferir as várias capelas construídas. Logo no início, uma grande surpresa: estavam aceitando confissões em português, e Gabriel aproveitou ! Foi se confessar na Notre Dame ! Também estava começando uma missa, com uma procissão dentro da igreja para os novos cardeais. Infelizmente não paramos para assisti-la, quem sabe na próxima ?
     No final do passeio da Catedral, Gabriel ficou com vontade de ir no banheiro, então saímos e fomos a um banheiro público bem em frente. Devido à demora, uma moça que cuidava dos banheiros pediu para ele sair e dar lugar a outra pessoa, mas ele teve que voltar pois ainda estava precisando, isso nos tomou um bom tempo e não pudemos visitar a Saint Chapelle. 
     Pegamos o BigBus e nos dirigimos para o Museu Orsay. Em Paris tudo é muito perto, chegamos lá bem rápido. A fila estava enorme também, mas o Paris Pass nos ajudou, pois passamos por todos e entramos pela entrada dos grupos, que estava vazia. Existe um Audio Guide, mas este tinha que ser comprado, pois o Paris Pass não incluía.
     Logo na entrada, tive que deixar minha mochila na entrada e junto ficou a máquina fotográfica. Me avisaram que não poderia entrar com ela, mas vi muitas pessoas lá com máquinas fotográficas no museu. Como a minha ficou na entrada, o jeito foi tirar fotos com os celulares mesmo. 
     O Museu Orsay era antigamente uma estação de trens, que foi posteriormente transformada em museu, pois os novos trens não cabiam mais nas plataformas e esta foi desativada. É muito grande e bonito lá. No dia que visitamos estava acontecendo uma exposição sobre Van Gogh, mas não entramos pois estava uma fila muito grande, mas vimos vários outros quadros deste pintor por lá também.
     Demoramos um bom tempo lá (até demais), é um museu para passar uma boa parte do dia, sãomuitas obras. Amoçamos em um restaurante dentro do próprio museu, atrás de um relógio gigante que fica como se fosse o sótão do museu. Pedi um vinho rosé delicioso, e o almoço foi simples.
     Saindo de lá, pegamos novamente o BigBus e soltamos na Champs-Élysées, em frente ao conhecido Arco do Triunfo. Atravessamos a rua pela passagem subterrânea e, antes mesmo de visitá-lo por baixo, entramos na fila para irmos até o topo do arco. Lá, não existe elevador, então subimos uma escada circular bem longa. Lá em cima saímos em um pequeno museu muito legal, que conta a história do Arco e sua construção, com maquetes e até partes interativas. Saímos por uma porta e chegamos ao terraço do Arco do Triunfo, com vista para toda a cidade de Paris.




      Depois do arco do triunfo, pegamos novamente o BigBus e desembarcamos perto da ponte Alexandre III. É uma ponte muito larga, linda, com estátuas em ouro ao longo de sua extensão, com uma vista linda de pontos da cidade e o Rio Senna, cenário para muitas outras fotos lindas. Saindo de lá, descemos então em Trocadéro. Para quem ainda não sabe, o trocadéro era um palácio, hoje as pessoas escolhem seu pátio como um local para tirar fotos da torre Eiffel, que realmente, fica linda vista dali. E era isso que estava acontecendo por lá. Muitas pessoas tirando fotos, inclusive muitas noivas fazendo seus books. A vista da Torre Eiffel dali é realmente incrível, linda, o dia estava muito bonito e tiramos
algumas boas fotos de lá também. Não tínhamos muito tempo mais, pois à noite estava reservado um super jantar no restaurante da Torre Eiffel, mas eu queria tirar uma foto da torre com o jato da fonte

de água em Trocadéro ligada, que tinha acabado de ser desligada no momento. Descemos e ficamos esperando. Foi então que a coisa mais inusitada e inesperada aconteceu. Felizmente estava com a máquina fotográfica preparada e consegui tirar várias fotos: um homem vestino de .... (deixa pra lá, veja as fotos) chegou correndo entrando pelos muros da fonte de água, segurando as bolas (kkkk só de escrever me lembrando da cena já começo a rir !) parou em um ponto, começou a fazer algumas flexões, foi para outro ponto da fonte, mais flexões, depois desceu em direção à torre. Nunca iria imaginar presenciar tal coisa, foi muito hilário e Gabriel morreu de rir, cena inesquecível ! 


     Saímos correndo pegar o metrô para o hotel e tomar um banho. 
     Voltamos correndo também para a Torre, onde eu tinha reservado um jantar (ainda tinha que trocar os ingressos na base da torre). Já estava bem na hora. Fomos prontamente atendidos, subimos pelo elevador e nos encaminharam para nossa mesa. A vista do restaurante 58tour é linda, ficamos na parte virada para Trocadéro, onde podíamos ver toda sua majestada e as fontes onde estávamos pouco tempo atrás. Minha idéia era jantar com Paris iluminada, vendo as luzes da cidade, mas nessa época descobrimos que não era bem assim. O jantar estava marcado para as 21:00 e o sol ainda estava alto. Mas isso foi até muito bom, pois nosso jantar foi ao pôr-do-sol (que ocorreu às 21:50) e quando terminamos já era noite. Aliás, a comida estava deliciosa !

     Não posso deixar de dizer que, com saudades do nosso peludão (o Sokha) que ficou em casa, Gabriel deixou o celular com sua foto em um dos lugares vazios da mesa, um amor. Terminado o jantar, saímos do restaurante e Gabriel resolveu subir as escadas da torre até o próximo nível ! Tive que sair correndo atrás dele, a Cris ficou, e que subida ! Só ele mesmo ! Chegamos bem cansados, mas a vista também era linda. Saindo da torre, voltamos pela Champ de Mars, onde muitas pessoas estavam fazendo piquenique, até a próxima estação do metrô, chegando no hotel já bem depois da meia-noite !