18 de junho de 2016

Passeio no Snowland


     O Snowland é uma atração localizada em Gramado, onde você tem a oportunidade de participar de diversas atividades, como patinação no gelo, Ski, Snowboard, bate-bate e descida de bóia, entre outras. 
     Em 2014 resolvemos conferir como é o Snowland em Gramado, e aqui estão minhas impressões.

     Comprei os ingressos pela Internet no site do Snowland e recomendo que todos façam isso. O Ingresso é personalizado e você deve informar o dia que você deverá ir, pois ele só terá validade neste dia. Acho que isso deve ser necessário a fim de prevenir a superlotação do lugar (mas realmente precisa disso?).

     Chegamos lá num dia de chuva, ainda era cedo e estávamos de carro alugado, então me dirigi ao estacionamento que fica em frente, mas este era muito pequeno e mesmo cedo já estava cheio. Logo à frente existe outro estacionamento (pago, de brita e descoberto), então tive que estacionar lá (R$ 10,00) e voltar na chuva (que felizmente estava fraca), mas deixei Cris e Gabriel antes na frente do Snowland, pois o estacionamento era do outro lado da estrada e fica perigoso atravessar.

     Chegando lá, existiam 2 filas, uma para quem iria comprar o ingresso na hora e outra para quem já tinha comprado o ingresso pela internet. A fila que peguei estava bem menor, e a outra fila cresceu bem rápido. Mas o engraçado é as filas na frente se convergiam, e depois de um bom tempo esperando, finalmente fomos atendidos. 

     Primeiro paramos em um guichê para validação dos ingressos e identificação de todos, colocação das pulseiras e instruções iniciais. Com o ingresso, temos direito praticamente todas as atrações, como simulador de Esqui 7D, Bumper Car, Tubbing (bóia), patinação no gelo e montanha de neve, já com o aluguel da roupa de neve incluída. Informe-se no local pois existem algumas restrições que não são claras no site, como o tempo na montanha de neve. As regras podem mudar também desde que escrevi este post.

     Depois de entrarmos, fomos logo no simulador de esqui 7D, que ficava logo depois da recepção. A fila estava pequena e resolvemos que era melhor ir logo.  
     O simulador é legal, você fica em pé como se estivesse em um ski, coloca um óculos 3D e começa um filme no telão. A plataforma que você se encontra se mexe e treme conforme o filme (desculpe a foto tremida, mas...).

     Saindo de lá, entramos em um complexo com várias lojas e no centro uma grande pista de patinação no gelo. Para ir na pista você deve pegar uma senha e quando aparecer a senha no telão você se dirige à entrada. Não é possível levar nada, então você tem que guardar seus pertences no armário. Na entrada você recebe cotoveleiras, joelheiras, capacete com touca e é claro, os patins. 
     A pista é bem larga, em foma de L, e dá para patinar tranquilamente, os mais experientes tem um espaço bom para patinações mais elaboradas.



     Terminada a patinação, entramos na fila para irmos na Montanha de Neve, a área mais fria do complexo.
Ela á composta por várias áreas, entre elas:

  • Pista de ski/snowboard: pista de 120 m de comprimento para descida de ski e snowboard, você sobe por uma esteira rolante. A pista é legal, tem um espaço suficiente para você aproveitar bem, claro que não é igual à pista de 320m no japão, mas fazer o que, né ? Tem umas irregularidades para você treinar uma descida mais rápida ou você pode escolher uma parte mais leve. O problema é que para subir, você tem que entrar na esteira, que é lenta e volta e meia ela pára, muitas vezes porque alguém se "embananou" caindo lá na saída e bloqueou a saída.
    Nesta área, quando fomos tínhamos o máximo de 2 horas para aproveitar tudo. Você pode controlar o tempo pela pulseira que recebe na entrada. Depois deste tempo você tem que comprar mais "tempo", inclusive roupas e equipamento.
    Para quem não sabe esquiar e não tem a mínima idéia, o parque fornece uma escolinha. Basta se informar no local sobre os horários das aulas para não perder, pois você deve se inscrever antecipadamente.
  • SnowPlay: é um castelinho construído no meio da neve que serve como um playground para as crianças brincarem. Elas podem também descer da parte da frente dele sentadas em umas bóias fornecidas no próprio brinquedo.
  • Bumper Car: carrinhos de batida tipo bóia. Quando fomos estava desligado e não pudemos aproveitar esta atração.
  • Tubbing: é uma descida em um escorregador onde você se senta em uma bóia. É muito divertido e pode-se ir em dupla com as bóias ligadas.
  • Flokus: um teatrinho onde você assistem em pé mesmo, é rápido e as crianças adoram.

      Existem ainda algumas atrações extras, mas quando fomos ou não passava ainda ou não estava passando no dia. Quando for, informe-se sobre os horários para não perder nenhuma.

     Dentro do complexo ainda existe um fliperama com diversos brinquedos chamado SnowKids para todos que gostam, cafés e restaurantes.

     Continuando nosso passeio, Eu resolvi andar de Snowboard e Gabriel resolveu ir de ski. Quando fomos a Bariloche eu tinha andado de ski e resolvi experimentar o snowboard desta vez. 
     Mas antes de entrar, temos que enfrentar a fila para pegar as roupas de neve, que são impermeáveis. Lá eles fornecem a roupa completa e as nossas estavam em ótimo estado. O par de luvas é cortesia, você pode levar para casa (uma pena que eu as tenha perdido na viagem a Nova Iorque). Depois de descermos várias vezes, fomos conferir o Tubbing, a descida de bóia, e descemos juntos. É muito divertido, embora a descida seja muito rápida, pois a pista é pequena, mas o rapaz gira as bóias e descemos rodando.

     Depois que Gabriel enjoou de descer na pista de Ski, fomos conferir o teatro Flokus, e como o BumberCar não estava funcionando e nosso tempo já estava acabando, fomo embora logo depois, pois já estávamos com fome também. Confira algumas fotos de nossa aventura: 


















    Fomos então almoçar no restaurante que fica na parte de cima do complexo. É um restaurante que se divide em 2 ambientes, um é o bar e outro o próprio restaurante. Ambos possuem uma janela com vista para a área fria do parque, mas não são todas as mesas que ficam perto desta janela. 
    O restaurante Avalanche é muito bonito mesmo, as cadeiras tem o encosto forrado com um pêlo expesso e a cadeira confortável. O cardápio é que foi o problema, ele serve vários pratos diferentes, mas o cardápio é mais parecido com o de uma lanchonete do que o de um restaurante e nada me apeteceu. Cris e Gabriel pediram um sanduíche cada um, a quantidade era caprichada e eu acabei pegando metade do sanduíche da Cris.








    Terminado o almoço, sentimos que o parque já não tinha nada mais para nos oferecer e resolvemos ir embora para aproveitar outras coisas na cidade. Nos dirigimos à saída, que fica atrás da lojinha de souvenires do complexo. 
   Lá levamos um susto, uma fila grande já se formava. Entramos nela e esperamos, esperamos, esperamos... a fila praticamente não andava. Ficamos por mais de 1 hora e 30 minutos, não aguentávamos mais, enquanto isso alguns engraçadinhos colocavam crianças de uns 4 anos no colo para furar a fila e pegar a preferencial na cara de pau, e ninguém do parque fez nada. Infelizmente, algumas pessoas não tem o mínimo respeito e educação mesmo.

    Fora essa saída dramática, gostamos muito do Snowland. Quem sabe melhoram com o tempo !